O australiano Xavier Rudd sobe no palco da Ópera de Arame no dia 25 de novembro e promete mais que um show - uma experiência. O cantor, que apresenta músicas folk com influências havaianas e aborígenes, afirma que seu momento no palco é uma cerimônia. “Meus shows são sempre cerimônias para todos - para nós do palco e para a plateia. Essas cerimônias são importantes na vida”, contou em entrevista ao Clube Gazeta do Povo. 

>>> Em Curitiba, Cláudia Raia e Jarbas Homem de Mello vivem 12 personagens em musical

Em suas apresentações, Xavier Rudd faz uma retrospectiva dos seus vinte anos de carreira, que inclui nove álbuns. O mais recente se chama Storm Boy, que foi lançado no ano passado e inclui o hit “Walk Away”. O disco traduz o mundo de Xavier Rudd: natureza, surf e espiritualidade e o amor. 

Suas influências havaianas e aborígenes são a raiz do trabalho de Xavier Rudd, que toca inclusive uma guitarra típica do Havaí. “Minhas influências aborígenes vem das minhas raízes e do espírito do meu país, que são coisas muito poderosas”, disse. 

A inspiração para as canções, diz o cantor, vem do coração. “A inspiração vem do coração, das minhas viagens, dos espíritos que me movem, meus ancestrais”, afirmou. 

Pela primeira vez no Brasil, Rudd diz que vem ao país de coração aberto. “Eu vou com a mente e o coração abertos. Quero me conectar com as pessoas e com os lugares que irei. Tudo é um mistério para mim agora”, completou.

LEIA TAMBÉM

>>> Hardcore anos 2000? Dead Fish faz show em Curitiba

>>> Conheça o restaurante italiano inspirado na máfia