Um violino mecânico à manivela com um som que lembra o de um órgão e o de uma gaita de fole. Assim a musicista curitibana Raine Holtz resume a viela de roda, o incomum instrumento medieval que estará em suas mãos no concerto que faz neste sábado (20), as 17h no Paço da Liberdade, com entrada gratuita.  

Leia também 

>>> Orquestra Sinfônica apresenta tesouros perdidos da música clássica 

A curitibana é uma das 15 pessoas que sabem tocá-lo no país. Raine e seu peculiar instrumento vão executar um repertório de canções de sua autoria e também de temas folclóricos dos países da costa do mar mediterrâneo como Grécia e também dos países balcânicos.

A viela de roda tem pelo menos 13 séculos. É conhecido desde o século IX, de acordo com iconografias encontradas nas igrejas da região de Santiago de Compostela, na Espanha. O hurdy-gurdy, no inglês, seu nome mais popular, é um instrumento de cordas da família do violino. Tem um corpo de madeira que lembra um alaúde e fendas sonoras que lembram a de um violino

Tem um jogo de seis cordas separadas em três partes diferentes do corpo do instrumento e duas dessas cordas passam por dentro de uma caixa de teclado das teclas.  A música se faz por um sofisticado sistema de gatilhos e uma manivela que gira uma roda de madeira que faz as “cordas cantarem”. O instrumento de Raine é uma réplica de um modelo francês do século XVII e foi encomendado a um luthier americano que lhe enviou o pacote pelo correio.

" As crianças adoram" 

Raine toca sua viela de corda quase todos os domingos, na Feira do Largo da Ordem. Ela conta que raramente alguém reconhece o instrumento e o chama pelo nome. “Como é um instrumento excêntrico, as pessoas estranham muito, mas as crianças adoram”.

Ela começou há 12 anos tocando piano, passou para o acordeon, se interessou por percussão árabe, virou harpista até achar a viela de roda. Hoje concentra sua pesquisa em música folclórica e mediterrânea com seu instrumento invulgar.

Leia também 

>>> Saxofonista de Amy Winehouse toca em Festival em Morretes 

Ela confessa que não gosta nem de música medieval, nem de música celta, estilos que geralmente são acompanhados por instrumentos antigos. “Eu toco a música que eu gosto, com o instrumento que eu gosto”.  

Vielista autodidata, estudante de balé clássico, cantora, compositora e artista de rua, Raine Holtz é a única mulher trans do país a tocar viela de roda, é idealizadora do projeto Through Waves e fundou seu selo independente The Schooner Harbour aos 16 anos de idade, em 2006.