Cinema

Festival de cinema francês desembarca em Curitiba

Por: Sandro Moser
Festival de cinema francês desembarca em Curitiba

A maratona anual de novos filmes do cinema francês começa no dia 14 de junho em Curitiba. O Festival Varilux de Cinema Francês de 2018 terá 21 filmes na programação, sendo 20 longas-metragens da nova safra da cinematografia francesa e um clássico: o famoso filme político Z, do diretor Costa-Gavras, lançado em 1969

>>> 10 passeios e lugares aconchegantes para curtir um dia frio em Curitiba

O público pode assistir aos trabalhos da premiada geração de realizadores franceses que tem sido chamada de “nouvelle guarde”, por alguns críticos do país. Um dos destaques é o filme Custódia, de Xavier Legrand, que fala da penosa disputa entre um casal pela guarda do filho. O longa foi vencedor do Prêmio de Melhor Direção e Melhor Primeiro Filme no último Festival de Veneza.

>>> Após 38 anos, primeira locadora de Curitiba fecha as portas e encerra era do cinema em casa

Também será apresentado o último filme de François Ozon: O Amante Duplo, um thriller exibido na seleção oficial do Festival de Cannes com a Marine Vacth e o ator belga Jérémie Renier.

Para os fãs da culinária francesa, o festival exibe o documentário A Busca do Chef Ducasse, dirigido por Gilles de Maistre, que leva o público numa viagem pelas maiores metrópoles do planeta – inclusive no Brasil – com o mais renomado chef de cozinha do mundo. Também é destaque cinebiografia Gauguin – Viagem ao Taiti, de Edouard Deluc,que traz Vincent Cassel no papel do artista em seu autoexílio no Taiti.

O festival acontece simultaneamente em 88 cidades brasileiras e é o maior festival francês do mundo. No ano passado, o Varilux levou 180 mil pessoas aos cinemas

Clássico político Z

Entre os títulos selecionados, o destaque é o clássico do cinema político  “Z”, do diretor Costa-Gavras, filmado em 1969. O filme mostra as conturbadas investigações do assassinato do deputado grego Lambrakis, em 1963, encoberta por uma rede de corrupção e ilegalidade.

Aos 85 anos, Gavras é um dos mais importantes cineastas que trataram temas políticos e em defesa da liberdade em filmes como A Confissão (1970), Estado de Sítio (1972), sobre as ditaduras na América Latina e Desaparecido – um grande mistério (1982) inspirado na história real sobre o desaparecimento de um jovem jornalista americano durante o golpe de Estado do general Augusto Pinochet, em 1973. O filme recebeu a Palma de Ouro, o prêmio de interpretação para ator no festival de Cannes, e o Oscar de Melhor roteiro.