Cinema

Como é a nova sala de cinema TSX Laser em Curitiba, uma das mais modernas do Brasil

Por: Marina Mori
Como é a nova sala de cinema TSX Laser em Curitiba, uma das mais modernas do Brasil

Quando o assunto é cinema, não é difícil descrever o melhor dos cenários para o espectador. Em geral, as exigências essenciais são duas: qualidade de imagem impecável, com cores nítidas e vibrantes, e som bem regulado – de preferência, com capacidade suficiente para que o menor pingo de água projetado pareça estar caindo ao lado da poltrona. A nova sala do Cineplus Jardim das Américas, a primeira do sul do Brasil com um projetor 4k a laser RGB, promete cumprir esta missão com êxito.

Fomos experimentar a tecnologia TSX Laser e som superimersivo Dolby Atmos neste sábado, 27, com o recém-lançado “Vingadores: Ultimato”. E quais são as diferenças da nova sala com as convencionais?

A gerente de marketing Amanda Machado, 28, assistiu a todos os outros filmes da saga no cinema e garante que a qualidade da imagem e som é incomparável às das salas convencionais. “Vale totalmente o investimento. Estar em uma sala com som 360° é incrível, você sente cada ruído. Fiquei arrepiada”, conta.

O ingresso para assistir aos filmes custa, em média, R$ 70 nas 45 salas brasileiras que contam com a tecnologia TSX Laser. Em Curitiba, o preço fica em torno de R$ 28 a inteira. Assinantes da Gazeta do Povo têm desconto de 50% no Cineplus. Às terças, há ainda uma promoção, em que o ingresso sai por R$ 13.

A intensidade do som se deve aos 33 canais distribuídos no teto, atrás da tela, nas laterais e no fundo do novo ambiente. Nas salas convencionais, o número chega a 20 unidades. “Dá para perceber muito nas cenas de batalha, que tem muitos metais batendo”, diz Amanda.

Mas o efeito acústico de imersão é ainda mais perceptível nas passagens em que a trilha sonora é liderada por alguma música. Quando o Senhor das Estrelas aparece curtindo uma canção no estilo R&B em seus headphones, por exemplo, a melodia ecoa nos ouvidos dos espectadores como se estivéssemos de fone de ouvido.

Cores mais vibrantes e nitidez

Em geral, as telas convencionais de cinema são feitas a partir de uma espécie de lona branca que, por não ter uma trama bem fechada entre os fios, provoca alguns ruídos visuais durante a projeção. No caso das salas com TSX Laser, a imagem melhora consideravelmente por conta do material escolhido. “É um tecido muito mais grosso, que não deixa passar nada de luz. Além disso, tem um pano preto por trás para melhorar ainda mais o contraste”, explica Marina Pastre, sócia do Cineplus Jardim das Américas.

A qualidade é perceptível assim que as primeiras imagens são exibidas. A tela de 150 m² cumpre com a função de mostrar nitidez impecável e o maior contraste fica evidente nas cenas com cores ricas em vermelho, verde e azul. Quando as irmãs Nebulosa e Gamora, filhas do vilão Thanos, aparecem, sua pele colorida parece ainda mais vibrante.

Marina explica o porquê. Enquanto os projetores das salas convencionais funcionam a partir de lâmpadas que têm apenas três meses de vida útil. “Perto do terceiro mês, a imagem começa a ficar mais escura, a perder luminosidade. Já com o projetor de LED, a qualidade se mantém constante durante pelo menos cinco anos. Por isso as imagens têm tanto ganho de brilho e contraste”.

Os espectadores mais atentos aos detalhes notarão a maior parte da diferença entre assistir a um filme em uma sala TSX Laser ou em uma sala convencional e bem equipada.