Museus

Curitiba ganha o Museu da Medicina, o 73.º da cidade

Por: Laura Beal Bordin
Curitiba ganha o Museu da Medicina, o 73.º da cidade

Quem anda pelo centro de Curitiba, não tem nem ideia que a história da medicina se confunde com a história da cidade. Do farmacêutico André de Barros até o Doutor Muricy, vários dos nomes que dão cara ao centro podem se tornar conhecidos de quem buscar conhecer o recém-inaugurado Museu da Medicina, que fica dentro do prédio da Santa Casa, no centro da capital.

>>> Conheça o restaurante paradisíaco na baía de Guaratuba

O prédio da Santa Casa vale o passeio por si só – e é cheio de história. A edificação, que começou a ser construída em 1865 e foi concluída em 1880, foi inaugurada por ninguém mais ninguém menos do que Dom Pedro II, que visitou a Santa Casa e assinou a carta que institui o Hospital de Caridade. A visita ao museu permite conhecer o documento, além de diversos itens utilizados pelos médicos desde a criação da Santa Casa.

O Museu da Medicina é o 73.º museu de Curitiba e busca remontar a história da medicina no Paraná. O acervo tem mais de 3 mil itens em exposição e é uma parceria entre a Santa Casa e a Associação Médica do Paraná (AMP), que forneceu grande parte dos itens que estão expostos. Durante a visita guiada, é possível conhecer a farmácia – criada pelo próprio André de Barros – e seus compostos, todos expostos em uma sala com um odor característico dos fármacos.

Outro destaque são os equipamentos, reunidos há mais de 40 anos pelo Doutor Ehrenfried Wittig – todos expostos em uma sala da Santa Casa. Entre eles está um pulmão de aço, equipamento utilizado em pacientes vítimas da poliomielite, que não conseguiam respirar sem a ajuda do aparelho.

O passeio pela Santa Casa é um passeio pela cultura da capital. Lá estão vitrais de Poty Lazzarotto retratando São Lucas, padroeiro dos artistas e dos cirurgiões.

No salão nobre, é possível conhecer os retratos dos principais provedores da Santa Casa – entre eles, um quadro de André de Barros, pintado pelo artista paranaense Alfredo Andersen.

Durante a visita, também é possível conhecer o primeiro elevador de Curitiba, todo feito em maneira e operado à mão. O sotão em madeira também abriga o motor do relógio, que é destaque da arquitetura do local. Hoje, ele não opera mais. Também está remontada uma sala de cirurgia e os equipamentos que eram usados na década de 1960 na própria Santa Casa – tudo da coleção reunida pelo Doutor Wittig.

De acordo com o presidente da Associação Médica do Paraná (AMP), Nerlan Carvalho, a reunião do acervo é um tributo aos médicos do estado. “O museu foi criado dentro da Lei Rouanet e reúne grande parte da história da medicina do Paraná. Essas peças da Associação Médica são uma forma de fazer um tributo aos profissionais”, afirmou.

Serviço

Para visitar o Museu da História da Medicina é preciso fazer um agendamento, pois todas as visitas são guiadas. Os passeios duram cerca de 1h30 e podem ser agendados pelo telefone 3320-3502 ou pelo e-mail museu@santacasacuritiba.com.br. As visitas acontecem de terça-feira à sábado, das 10h às 19h.

LEIA TAMBÉM

>>> Acrótona, o restaurante que todo boêmio conhece (ou deveria conhecer)

>>> 12 bares para beber na rua em Curitiba