Passeios

Seis locais escondidos para conhecer no litoral do Paraná

Por: Sandro Moser
Seis locais escondidos para conhecer no litoral do Paraná

A temporada de verão está aberta no litoral paranaense, um prato cheio para quem gosta de areia, mar e sol. O nosso litoral, contudo, ainda que não seja tão badalado como o vizinho catarinense esconde algumas preciosidades que nem todo o veranista conhece. O Guia da Gazeta do Povo + Clube montou este roteiro com atrações escondidas do litoral para quem quer conhecer outro lado das praias do Paraná.

A praia deserta do balneário Barrancos

Em julho de 2017, uma baleia branca apareceu no litoral do Paraná. Ela não poderia ter achado lugar melhor que o balneário Barrancos, uma surpreendente praia deserta entre a Praia de Leste e Pontal do Sul.

O balneário ocupa uma faixa de 1,5 quilômetro entre Shangri-Lá e Atami 1. A entrada é pela PR-412, entrando em direção ao mar no quilômetro 75.  A praia é perfeita para quem quer dar um mergulho ou para quem quer ficar longe da agitação das praias mais movimentadas.

Aos visitantes, porém, é recomendado cuidado, pois de tão isolado, o balneário Barrancos não conta com a presença de guarda-vidas e de policiamento ostensivo.

As ostras do Cabaraquara

Não há local melhor para comer ostras no sul do Brasil do que o Caminho das Ostras, uma rota de aproximadamente 700 metros em que estão cinco restaurantes especializados em ostra, o molusco mais refinado da gastronomia.

Para chegar lá, basta descer a serra em direção à Guaratuba, passar pela entrada do ferry-boat e seguir por mais três quilômetros na estrada do Cabaraquara.

A baía de Guaratuba faz parte de uma região de preservação natural – a Área de Proteção Ambiental Estadual de Guaratuba (conhecida também como APA de Guaratuba) e o Parque Nacional de Saint Hilare-Lange – e, por isso, suas águas são praticamente livres de resíduos nocivos, como combustíveis e outros dejetos e perfeitas para o cultivo de ostras.

Muita história no Museu Paranaguá

Para quem se interessa por história e cultura, uma visita obrigatória é o Museu de Arqueologia e Etnologia da UFPR (MAE) em Paranaguá.

Inaugurado em 1963 a sede fica nas instalações do prédio que abrigou o antigo Colégio dos Jesuítas, fundado em 1755. Há quatro anos, por conta de algumas dificuldades de gestão, a UFPR levou algumas peças para Curitiba.  

Ainda assim, acervo do museu é composto por artefatos coletados em pesquisas arqueológicas e etnográficas, principalmente do Paraná, daí sua grande importância para a compreensão da história do estado nos campos da Cultura Popular, Etnologia e Documentação Sonora, Visual e Textual.

A cachoeira escondida do Salto Parat

Tesouro escondido da mata atlântica paranaense, o Salto Parati fica no fundo da baía de Guaratuba, ao pé da Serra do A queda d'água é formada por águas cristalinas e cercada de uma vegetação de mata atlântica preservada. A melhor opção de acesso ao Salto é por mar, utilizando barcos de pequeno porte. As embarcações saem da Baía de Guaratuba e levam 25 minutos para chegar ao rio Parati, até o local chamado Porto. Depois disso, ainda é preciso fazer uma caminhada de 40 minutos, por trilhas de vegetação nativa e paisagens típicas do litoral. No trajeto várias espécies de flores, pássaros e animais silvestres e uma ponte pênsil que da à caminhada um ar de aventura.

O pré-histórico Sambaqui do Guaraguaçu

Em 1957, um grupo de pesquisadores da Universidade Federal do Paraná, localizou um Sambaqui pré-histórico que é o registro de como viviam povos originários do litoral do Paraná.

O Sítio Arqueológico do Guaraguaçu fica na Fazenda Sambaqui, uma propriedade privada no município de Pontal do Paraná. É o único sambaqui, ou casqueiro, como é conhecido pelos moradores da região, tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico no Litoral do Paraná. A área do entorno do sambaqui de Guaraguaçu é habitada pelos índios da aldeia M’Byà.

Quem quiser conhecer o sambaqui do Sítio Arqueológico do Guaraguaçu, que fica em Pontal do Paraná, deve ir pela estrada ecológica Domingos Mesquita Sant’Ana, que começa junto à ponte do rio Guaraguaçum na rodovia PR-407 (Paranaguá – Praia de Leste). A estrada é de terra e fica a 9 quilômetros da comunidade indígena. A partir daí o caminho até o sambaqui tem de ser feito a pé, por uma trilha, numa caminhada que dura cerca de 25 minutos.

Para visitação contatar com o Departamento de Turismo através dos telefones (41) 3975-3102 e (41) 8882 0041. 

O Manguezal do Rio Perequê

Entre as belezas de Pontal do Paraná, está Parque Natural Municipal do Manguezal do Rio Perequê.

As áreas de manguezal são as atrações do parque. O parque ocupa uma área de 16,2 hectares e foi criado com o objetivo de preservar o ecossistema dos manguezais. Na sede do parque são realizadas atividades culturais e de educação ambiental. Conta ainda com uma biblioteca e videoteca. O visitante poderá fazer a trilha do micuin (665 metros) e conhecer os ecossistemas de mangue e restinga.

O acesso é feito pela Avenida Mira Mar, em Pontal do Sul, ao lado do Centro de Estudos do Mar da UFPR. Entrada franca. As visitas podem ser agendadas de segunda-feira à sexta-feira das 8h30 às 12h e das 13h às 17h.Tempo médio de visitação é uma hora. Contato: (41) 3972-7051.