Cinema

Drama francês O Filho Uruguaio trata de sequestro de filho pelo pai

Por: Sandro Moser
Drama francês O Filho Uruguaio trata de sequestro de filho pelo pai

O drama francês “O Filho Uruguaio”, assinado pelo diretor Olivier Peyon, também coautor do roteiro, trata de formas mais ou menos sutis temas que vão da maternidade a dificuldades de comunicação, passando por um elogio da vida simples. O filme foi um dos destaques do Festival Varilux de Cinema Francês 2017 e estreou nos cinemas de Curitiba nesta quinta-feira (22).

Na história, a francesa Sylvie (Isabelle Carré) viaja ao Uruguai atrás do filho sequestrado há anos pelo pai uruguaio depois da separação do casal em Paris. A ideia da mãe é sequestrar o jovem de volta e, para tanto, ela conta com a cumplicidade de um assistente social, Medhi, vivido pelo ator franco-argelino Ramzy Bedia. Astro de comédia em séries de tevê e no cinema popular da França, Ramzy faz uma grande atuação em seu primeiro papel “sério” num filme importante.

É Mehdi quem encontra o jovem Felipe (Dylan Cortes), na cidade de Florida, no interior do Uruguai. O drama surge quando a mãe descobre que o menino está sendo criado pela tia — o pai morreu em um acidente — e vive feliz e integrado à vida da família na cidadezinha idílica.

A trama parece simples como a modorrenta vila uruguaia onde ela se passa, mas o enredo esconde algumas discussões políticas e de comportamento importantes nos dias de hoje — como, por exemplo, os limites da globalização.