Shows

Para Diana Krall, que faz show em Curitiba, o melhor jazz é o que conta histórias

Por: Laura Beal Bordin
Para Diana Krall, que faz show em Curitiba, o melhor jazz é o que conta histórias

Mais do que música, o jazz é sobre contar histórias. Essa é a visão da cantora e pianista canadense Diana Krall, que faz show em Curitiba no dia 26 de abril, no Teatro Positivo. A cantora falou com o Guia Gazeta do Povo sobre sua carreira, as influências brasileiras em sua música e sobre a turnê do novo disco “Turn Up the Quiet”.

Fã de João Gilberto, Diana diz que perdeu a conta de quantos artistas brasileiros a inspiram fazer sua música. “João Gilberto é definitivamente uma grande influência na minha vida, mas são incontáveis artistas, não consigo nem listar”, diz a cantora, que se diz uma grande fã do Brasil e dos brasileiros. “O brasileiro é o povo que mais canta junto, que tem mais alma ao lidar com a música”, afirma.

A cantora, que teve o primeiro álbum gravado aos 28 anos, conta que sua carreira começou mais ou menos como a do personagem Sebastian do filme La La Land: cantando estações. “Eu cantava e tocava em bares desde os 15 anos, tive muita influência na minha casa. Meus pais ouviam grandes cantores de jazz, como Miles Davis”, conta a artista.

Jazz é sobre contar histórias

Sobre as músicas leves e inspiradoras do novo álbum “Turn Up the Quiet”, Diana diz que se baseia nas suas próprias experiências diárias para criar suas canções. “Acho que eu escrevo sobre o que eu sinto, sobre as coisas que eu penso. Eu sinto o momento e tento contar uma história. O jazz é sobre contar boas histórias. Eu não tenho a melhor técnica do mundo, não atinjo notas muito altas. Mas sei contar histórias nas minhas canções”, afirma.

Já sobre os shows no Brasil, a cantora diz que o público pode esperar os melhores músicos que o país já viu. “São os maiores músicos do mundo, e não falo de mim. Todos eles são muito bem sucedidos no que fazem. É uma banda incrível, será maravilhoso tocar com eles e para vocês”, completou Diana Krall.