Cinema

Curitiba terá museu dedicado ao cineasta Federico Fellini

Por: Sandro Moser
Curitiba terá museu dedicado ao cineasta Federico Fellini

Em 1979, durante seu segundo mandato como prefeito de Curitiba, Jaime Lerner teve a ideia de homenagear Fellini, dando-lhe o nome de algum logradouro da cidade. Sua estratégia para formalizar o convite, foi encomendar um filme sob a direção do escritor e cineasta Valencio Xavier.

Além de convidar Fellini a Curitiba, o filme daria ao grande diretor italiano uma ideia sobre a cidade que o queria Carta a Fellini (veja abaixo) foi feito, mas o convite nunca foi entregue.

Cerca de dez anos depois, o escritor, curador e empresário Antonio Cava começou por conta própria a garimpar sobre a vida e obra do diretor de Amarcord e La Dolce Vitta.

Nos 25 anos seguintes, Cava arrecadou centenas de itens como desenhos, fotos, cartazes, filmes, bonecas, selos e muitos livros sobre ou escritos por Fellini.

Sua pesquisa incluiu três viagens a Rimini, a cidade natal de Fellini, às margens do Mar Adriático, onde ele falou com os vizinhos e garimpou antiquários atrás de tudo sobre o grande artista.

Em 2020, ano do centenário de Fellini, esse material será exposto em museu em honra do artista em Curitiba.

Batizado de Coleção Fellini, o museu será inaugurado em maio de 2020. Ocupará a maior sala no segundo andar do anexo do Museu Guido Viaro e será oferecida como presente "para os espectadores e amantes de Fellini", segundo seu Cava.

Na inauguração dos sonhos de Cava, as duas histórias acima mencionadas se encontram. "Minha vontade é convidar Jaime Lerner para finalmente entregar, 40 anos depois, o filme Francesca Fabbri Fellini, sobrinha do diretor e única herdeira de seu espólio. Simbolicamente quero que isso aconteça", disse.

Curador do acervo, Cava já produziu 10 exposições em homenagem a Fellini, de 2003, data do décimo aniversário de sua morte e 2013. A mostra se chamava Circo Fellini e passou por Rio, SP, Porto Alegre, Tiradentes (MG), Campos, Niterói, Brasília e Curitiba.

Entre os itens da coleção há algumas preciosidades

"O livro de receitas de Giulietta Masina, com os pratos favoritos de Fellini, o livro dos sonhos escrito por ele, do qual só foram impressos, mil exemplares. Há também um livro de seus desenhos eróticos e um dicionário Fellinian, com os nomes que ele lançou como Amarcord, e outros que ele inventou, como paparazzo".

Há também material original de colaboradores muito próximos de Fellini. "Em minhas viagens, conheci o cenógrafo e figurinista Danilo Donati (vencedor de 3 Oscars), o ilustrador de seus cartazes e pintor de suas cenas, Giuliano Geleng, e Milo Mannara que ilustrou seus últimos itinerários. Eu também ganhei material do seu fotógrafo pessoal Tazio Secchiaroli, com dedicatória, que será incluido na exposição permanente", disse Cava.

Todo o material de Fellini foi doado ao Museu Guido Viaro e será exposto em uma sala no anexo do museu, em projeto do arquiteto Guilerme Klock. A coleção  tem Apoio do Consulado Italiano italiano, Embaixada italiana e Instituto Italiano de Cultura.