Eventos

200 mil pessoas assistiram espetáculos no Festival de Curitiba

Por: Sandro Moser
200 mil pessoas assistiram espetáculos no Festival de Curitiba

Com público estimado de 200 mil pessoas e muitos espetáculos com lotação esgotada, terminou neste domingo (7) a 28ª edição do Festival de Curitiba.

Leia Também

>>> Seis hoteis fazenda para passar o feriado da Páscoa

Segundo o diretor do Festival, Leandro Knopfholz, a presença de público foi equivalente a dos anos anteriores, mas o 29º Festival conseguiu se conectar com a cidade de forma notável.

“Para nós, é um resultado altamente considerável. Sentimos que o Festival conseguiu ocupar as ruas e conquistar como poucas vezes o envolvimento das pessoas”, disse.

A resposta popular aconteceu principalmente nos espetáculos da mostra paralela Fringe, responsável pela maior parte dos 400 espetáculos e 1,7 mil apresentações a maior parte delas gratuita ou no esquema “pague o quanto vale”.

Ao todo, 80 espaços diferentes da cidade foram usados e a mostra paralela teve até espetáculos de patinação. “A ideia do Fringe é que as fronteiras se borrem sempre. A gente quer criar movimento barulho e quem quiser se manifestar é bem vindo. Tudo vale”, disse Knopfholz.

Musicais se destacaram

Entre as peças que fizeram mais sucesso na Mostra principal, destaque para alguns musicais como Elza (biografia da cantora Elza Soares) e O Frenético Dancing Days, escrito por Nélson Motta e dirigido por Deborah Colker.  

Para a direção, o êxito deste gênero mostra a consolidação deste tipo de espetáculo no teatro brasileiro do século 21. “Desde o inicio dos anos 2000, há uma tendência na produção de musicais que começou com espetáculos autorias, depois houve compra de direitos autorais de espetáculos estrangeiros. Numa terceira onda, musicas brasileiros que recriam com voz própria o estilo dos musicais americanos”, explica Leandro.

Nova “lei Rouanet” pode impactar próximo Festival

Ele acredita, contudo, que esta tendência de peças musicais grandiosas está ameaçada por conta da mudança na legislação que incentivo cultural – como a lei Rouanet e outros diplomas legais – que devem mudar a realidade da produção cultural no país.  

Knopfholz acha que as novas políticas culturais devem ter impacto na programação da 29ª edição do Festival, em 2020. “O marco legal vai se transformar até o ano que vem. Ninguém sabe ainda como, mas há uma certeza que muita coisa vai mudar”, disse.

Mudança de QG cria mal estar com Prefeitura

Ao contrário do que acontece há pelo menos 10 anos, em 2019, o quartel-general do Festival de Curitiba não foi o Memorial de Curitiba, no centro histórico. A estrutura foi transferida para o hotel Mabu Curitiba Business, na praça Santos Andrade.

Em nota divulgada a imprensa, a direção do festival lamentou a mudança fruto de uma decisão de última hora da prefeitura. “Até então, por quase uma década, a equipe do Festival se concentrava no Memorial de Curitiba durante o evento. O Memorial deixou até mesmo a programação do Fringe, pois a prefeitura manteve o espaço para sua própria agenda”, diz trecho da nota.

O diretor do evento, Knopfholz disse “não saber os motivos” que levaram a prefeitura a não cumprir um acordo prévio com o Festival.

Procurada pela reportagem, a Fundação Cultural de Curitiba (FCC)  afirmou em nota que "todos os espaços solicitados pela organização do Festival de Teatro foram disponibilizados por meio de um contrato de autorização de uso de espaços, no qual estavam incluídos o Teatro Londrina e a Praça do Iguaçu (ambos no Memorial de Curitiba)", diz a nota.

Ainda segundo o texto da nota, o Teatro Londrina foi utilizado normalmente pelo festival com montagens de peças durante o evento.
No caso da Praça do Iguaçu, a FCC "apenas restringido a instalação de um balcão de atendimento na área da praça, por causa de uma exposição comemorativa do aniversário da cidade que foi aberta no mesmo local".

A FCC teria então ofereceu a área administrativa do Memorial, junto ao portão de acesso, pela Rua do Rosário, para a instalação desse balcão, mundaça que foi recusada pela organização do Festival.

Próxima edição

Acabado a 28ª edição, a organização já começa a planejar a edição seguinte que deve ter alguns espetáculos internacionais que já estão negociando sua participação no evento do ano que vem.