Teatros

Musical com Michel Teló que conta a história do sertanejo passa pelo Guairão

Por: Bruna Covacci
Musical com Michel Teló que conta a história do sertanejo passa pelo Guairão

Recuperar a história da música sertaneja e apresentá-la de forma teatral e lúdica. Essa é a proposta do “Bem Sertanejo”, espetáculo inspirado na série homônima que foi ao ar no Fantástico, em 2014, e que passa por Curitiba de sexta (5) a domingo (7), no Teatro Guaíra. A procura pelos ingressos é tanta que uma sessão extra foi aberta no sábado às 15h (praticamente esgotada) e outra no domingo também às 15 horas. A montagem é estrelada pelo paranaense Michel Teló, que estreia como ator.

Assinante Gazeta do Povo tem desconto de 50% na compra de até dois ingressos para o espetáculo.

A montagem passa pela origem do gênero caipira, na década de 1920, e vem até os dias mais recentes, tocando um repertório com 56 sucessos de nomes consagrados, como Tonico e Tinoco, Sérgio Reis, Almir Sater, Renato Teixeira, Chitãozinho e Xororó, Leandro e Leonardo, Zezé Di Camargo e Luciano e Gustavo Lima.

Gustavo Gasparani, diretor do musical, recebeu o convite para escrever o roteiro há dois anos e diz que o processo fez com que ele relembrasse suas férias de infância, numa fazenda no interior de São Paulo. “O resultado é algo muito poético, tem uma grande questão afetiva”, diz. Jogar com o emocional do público é a grande sacada do “Bem Sertanejo”. “Quem tem uma relação com o estilo não consegue conter as lágrimas, principalmente nas interpretações de Chico Mineiro e Lá no Sertão (ambas da dupla Tonico e Tinoco] e Caipira [sucesso com Chitãozinho e Xororó]”, conta.

O espetáculo

Gasparini explica que a história não é contada de forma cronológica. O primeiro ato acontece num passado mítico enquanto o segundo conta a história do artista caipira que foi para a cidade. “Brincamos muito com aquela rixa entre o caipira de raiz e o sertanejo pop. Colocamos os dois num embate e, no fim, eles percebem que são a mesma coisa”, fala. Diferentes fases e personagens da música são representados no espetáculo. “Falamos tanto da alma caipira que tem até receita de tropeiro”, fala.

Além do sertanejo, o espetáculo trata da poesia de Guimarães Rosa, Manoel de Barros e Cora Coralina e retrata pinturas modernistas de Tarsila do Amaral no cenário. “É um grande resgate da cultura brasileira”. Está lá a popularização da viola caipira pelos tropeiros, os causos e lendas que abasteciam as primeiras composições, o êxodo rural e a era do rádio, passando pelo estouro do sertanejo romântico e a tomada de poder nos anos 2010. Tudo bem colorido e didático, enfatizando o aspecto lúdico do musical.

Serviço

Teatro Guaíra: 05 a 07 de maio. Sexta às 21 horas; sábado às 15 horas e as 21horas; domingo às 15h e às 19h.

Ingressos: Plateia Premium (Inteira) R$ 200. Plateia Central (Inteira) R$ 160. Plateia Lateral (Inteira) R$ 140. Balcão 1 (Inteira) R$ 120. Balcão 2 (Inteira) R$ 50. Plateia Premium (Inteira) R$ 200. Plateia Central (Inteira) R$ 160. Plateia Lateral (Inteira) R$ 140. Balcão 1 (Inteira) R$ 120. Balcão 2 (Inteira) R$ 50. ***Clube da Gazeta do Povo tem desconto de 50% na compra de até dois ingressos.