Bares e Baladas

Queridinhos da boemia, bares de Curitiba completam 10 anos

Por: Laura Beal Bordin
Queridinhos da boemia, bares de Curitiba completam 10 anos

Queridinhos da boemia curitiba, os bares Baroneza e Quermesse completaram dez anos em abril. Os dois passaram por transformações ao longo dos anos e seguem se modificando para ganhar e continuar fidelizando cada vez mais os clientes. Conheça a história de cada um deles e o que encontrar em cada casa.

Baroneza

Baroneza surgiu da reunião de três amigos que trabalhavam juntos na Copel e tinham vontade de empreender. “Nós eramos muito amigos e continuamos sendo dentro do bar”, explica um dos sócios do bar, Celso Andretta.

Ao longo de uma década, o bar se tornou tradicional em Curitiba – principalmente para os moradores do Juvevê. A ideia do bar surgiu da paixão de um dos sócios por trens e o nome Baroneza – a primeira locomotiva do Brasil – veio daí. “Nós temos o relógio de estação de trem, a estética dos trilhos”, conta Andretta.

Dentro destes dez anos, o bar teve que se adaptar aos novos tempos – e buscar fidelizar os clientes. Uma das maneiras foi buscar deixar o espaço cada vez mais agradável para receber grupos, principalmente aniversariantes.

Hoje, os petiscos preferidos dos fiéis clientes do Baroneza são o bolinho de costela, que foi escolhido pelos clientes entre outras receitas dentro de um concurso para integrar o cardápio do bar. A porção com oito bolinhos sai por R$ 34,90. Outra opção é a tábua de mignon com fritas e farofa, que serve até três pessoas. Essa custa R$ 53,90. O bar também oferece o seu tradicional buffet de feijoada aos sábados, por R$ 43,90 por pessoa.

Quermesse

Quando criou o Quermesse há dez anos, o empresário José Araújo Neto nem imaginou que criaria um dos bares mais queridinhos de Curitiba. A ideia, segundo Neto, era fazer um restaurante, na tentativa de deixar de ser empregado de um banco e virar empresário. Falou com o pai, que já tinha certa experiência com casas noturnas, e com a mãe, que era chef de cozinha, e resolveram abrir o Quermesse.

Depois de alguns anos, ele começou a perceber que o faturamento à noite era melhor do que o de dia e investiu na ideia do bar. “Nós criamos algumas coisas inéditas na noite de Curitiba nestes dez anos. Uma coisa foi investir em quantidades maiores para que o público não demandasse tanto o garçom. Fomos o primeiro bar a servir baldes de cerveja, que dão desconto para o cliente”, explica Neto.

De acordo com o empresário, a noite mudou bastante nos últimos dez anos. O cliente ficou mais exigente e os empresários tiveram que se adaptar, diz José Araújo Neto, que também é proprietário das redes Pork’s e Mr. Hoppy. “Os chopps artesanais entraram com força. Hoje tem um público jovem diferente, mas são públicos diferentes”, afirma.

Os pratos e os baldes de cerveja continuam sendo o forte do Quermesse. Entre as opções estão o Mignon Chic, que é um fondue de mignon servido com creme de queijo no pão italiano (R$ 69) e o Bife Sujo, iscas de alcatra servido com batatas fritas ou mandioca frita ou cozida (R$ 49).

LEIA TAMBÉM 

>>> Mostra completa de Ai Weiwei chega ao MON em maio

>>> Maior ballet flamenco do mundo se apresenta em duas noites em Curitiba