Neste domingo (24), a partir das 22 horas, acontece a 91.ª cerimônia de entrega do Prêmio da Academia (Academy Award), mais conhecido como Oscar, prêmio máximo da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood (Academy of Motion Picture Arts and Sciences - AMPAS), entregue anualmente aos melhores filmes e profissionais da indústria do cinema. De todos os prêmios existentes, é o único que efetivamente influencia positivamente a bilheteria de um filme. Uma simples indicação já garante cerca de 30% de acréscimo no faturamento. Caso o filme ganhe uma estatueta, esse adicional pode chegar a 50%.

Com mais de oito mil membros/votantes em todo o mundo, trata-se, sem dúvida, do prêmio mais honesto concedido no segmento do entretenimento, uma vez que, diferente de todas as outras premiações, que se resumem a um grupo pequeno de pessoas com direto a voto, no Oscar, pela quantidade de membros da Academia, o resultado da votação é fruto de uma pluralidade de opiniões bem mais diversificada. Principalmente, nos últimos anos.

Idealizada por Louis B. Mayer, a Academia, como é simplesmente chamada, é uma organização profissional honorária fundada no dia 11 de maio de 1927 e que teve o ator Douglas Fairbanks como seu primeiro presidente. Apesar de a entidade alardear como seu objetivo maior o desenvolvimento artístico e científico do cinema, na verdade, a finalidade mesmo era fazer frente aos sindicatos ligados à indústria do cinema, cada vez mais fortes.

A primeira cerimônia de premiação aconteceu dois anos depois da fundação da Academia, realizada no dia 16 de maio de 1929, no salão nobre do Hotel Roosevelt, em Hollywood. Os vencedores já sabiam do resultado três meses antes. Foi somente a partir da segunda cerimônia que o anúncio dos ganhadores da estatueta dourada passou a ser feito na própria cerimônia. Douglas Fairbanks foi o apresentador da cerimônia que premiou os melhores filmes e profissionais dos dois anos anteriores (1927 e 1928), em 11 categorias (hoje são 24).

Durante as seis primeiras cerimônias eram premiados sempre os melhores filmes, artistas e técnicos dos dois anos anteriores. A partir da entrega de 1934 se adotou o padrão que é utilizado até hoje, ou seja, premiar os melhores do ano anterior.

Primeira cerimônia do Oscar, realizada em 1929, já tinha os vencedores conhecidos.

>> Assista aos filmes do Oscar pagando meia e ainda economize até 20% com o jantar 

Homenagem ao tio

A estatueta traz a imagem de um cavaleiro careca e dourado segurando uma espada em cima de um rolo de filme. Feita de estanho, tem uma altura de 35 centímetros, pesa quase quatro quilos e foi criada por Cedric Gibbons e George Stanley. Seu valor de mercado gira em torno de US$ 500. No início ela não tinha nome próprio. Diz a lenda que, certo dia, a secretária-executiva da Academia, Margareth Herrick, teria dito que ela lembrava muito seu tio Oscar. Um jornalista presenciou o comentário e publicou no jornal. O nome pegou e vale até hoje.

A cerimônia de entrega do Oscar ganhou muita popularidade a partir de 1953, quando passou a ser transmitida pela televisão, inicialmente apenas para os Estados Unidos. E aumentou consideravelmente quando tiveram início, em 1969, as transmissões internacionais. Brasil e México foram os primeiros países, já no ano seguinte, além do Canadá, a transmitirem a premiação via satélite. Hoje, ela é assistida, segundo a Academia, por mais de um bilhão de pessoas.

Como toda entidade, a Academia possui diversas regras. A principal delas, em relação ao Oscar de melhor filme, diz que a produção, para tornar-se elegível, precisa ter mais de 40 minutos e ter sido exibida por pelo menos uma semana nas cidades de Nova York e Los Angeles.

Objeto de estudo

Ao longo do século 20, o Oscar se transformou em sinônimo/símbolo de outras categorias de prêmio. Esse fato curioso foi o objeto da dissertação de mestrado do professor, artista visual e fotógrafo goiano radicado em Curitiba Tom Lisboa. Intitulado "Entre a estatueta do Oscar e o Oscar da estatueta", o trabalho defende que o Prêmio da Academia "serviu de base para que se confeccionassem outros troféus que celebram alguma forma de distinção individual, já que rotulamos o Emmy de o Oscar da televisão e o Grammy de o Oscar da música, por exemplo".

O Oscar também motivou Felipe Haurelhuk, curitibano residente em São Paulo, a criar um canal no YouTube, o Meu Tio Oscar, inteiramente dedicado aos filmes ganhadores do prêmio, bem como à análise detalhada de cada ano da cerimônia. Conteúdo não falta, afinal, já foram realizadas 90 cerimônias, o que equivale a 90 filmes, sem contar os debates relativos a cada ano, além de outras curiosidades. No total, cerca de mil filmes já receberam a estatueta.

Este ano, pela primeira vez um filme produzido pela plataforma de streaming Netflix concorre em dez categorias, incluindo a de melhor filme: Roma, de Alfonso Cuarón. Caso consagre-se vencedor, isso representará uma mudança das mais significativas na história da Academia.

Em 1953 a premiação foi transmitida pela primeira vez na televisão, aumentando sua popularidade.

Disputa acirrada

Neste ano, oito filmes concorrem ao Oscar de melhor filme: Bohemian Rhapsody, de Bryan Singer; A Favorita, de Yorgos Lanthimos; Green Book – O Guia, de Peter Farrely; Infiltrado na Klan, de Spike Lee; Nasce uma Estrela, de Bradley Cooper; Pantera Negra, de Ryan Coogler; Roma, de Alfonso Cuarón; e Vice, de Adam McKay. A lista completa dos indicados você confere na página 54.

Para este ano, não há um grande favorito, visto que os prêmios que antecedem o Oscar ficaram totalmente divididos. Um dos principais termômetros, o Globo de Ouro, premiou Green Book como melhor filme de comédia ou musical, e Bohemian Rhapsody como filme de drama. Já o Critics Choice, concedido pelos críticos de Hollywood, consagrou Roma. Por fim, o SAG Awards, do Sindicato dos Atores (categoria numerosa entre os votantes do Oscar) surpreendeu ao dar o prêmio principal a Pantera Negra.

Entre os atores, a disputa está polarizada. Na categoria masculina, a estatueta deve ficar entre Rami Malek, por sua interpretação de Fred Mercury em Bohemian Rhapsody, e Christian Bale, que mais uma vez se transformou, agora para viver o ex-vice-presidente americano Dick Cheney em Vice. Já entre as atrizes, as candidatas mais fortes são Glenn Close, que vive a mulher de um escritor em A Esposa, e Olivia Colman como a rainha Anne em A Favorita. Correndo por fora está Lady Gaga, de Nasce uma Estrela.

Como acompanhar o Oscar 2019

Na TV

Na Globo, a transmissão vai iniciar com alguns prêmios já entregues, por começar apenas após o programa Big Brother Brasil 19. O Oscar será transmitido também pelo canal pago TNT, que inicia a exibir o tapete vermelho já às 21h. A premiação começa às 22h e será transmitida na íntegra. Para quem gosta de acompanhar o tapete vermelho, o desfile de celebridades que participam da premiação será transmitido pelo canal pago E! a partir das 19h.

Na internet

Os assinantes da TNT podem assistir à premiação por meio do serviço de streaming do canal, o TNT GO. É possível, também, acompanhar a premiação ao vivo no próprio site do Oscar.

LEIA TAMBÉM

>> Bares transmitem a cerimônia do Oscar, e cinéfilos promovem bate-papo

>> Fim de semana tem vinho a R$ 10, festival do hambúrguer e mais!