Passear pela cidade, olhando para cada cantinho dela enquanto ouve histórias daqueles que habitam o espaço urbano. Essa é a intenção do espetáculo “Percursos Afetivos”, que leva seus espectadores a um passeio de bicicleta pelo centro de Curitiba.

A “peça” faz parte da mostra Fringe no Festival de Curitiba e tem quatro apresentações - entre os dias 5 e 8 de abril (quinta a domingo), partindo sempre da Praça de Bolso do Ciclista às 19h e segue para a Praça Santos Andrade, passando pelo Teatro Guaíra, pela ciclovia do Passeio Público, pelo do Memorial Árabe e segue pela ciclovia até a Praça Nossa Senhora de Salete, no Centro Cívico. O passeio dura 50 minutos. As histórias de semi-ficção foram criadas por Cadu Cinelli, performer da apresentação, nos passeios que fez pelo percurso, conhecendo os locais e as pessoas que habitam aquele espaço.

>>> Dez rolês para fazer com R$ 10 em Curitiba

Cinelli afirma que em seus passeios pelo mundo, sempre se sentiu mais pertencente à cidade quando estava em cima de uma bicicleta. “Toda vez que eu estava em uma cidade eu sentia que elas eram mais minhas, eu via a cidade de uma forma diferente”, explica.

Inspirações  

Cinelli conta que criou o espetáculo inspirado pelo cantor David Byrne e seus “Bycicles Diaries”, onde ele celebra o seu amor pelas bicicletas e reforça o veículo como mais que o passatempo. Além  de Byrne, Cinelli se inspirou no Manifesto do museu da Inocência de Istambul, escrito pelo do escritor turco Orhan Pamuk, que comemora as pessoas, o cotidiano e suas histórias e o artista espanhol Jose Antonio Portillo, que criou uma mapa afetivo da cidade de Alcalá de Henares em um projeto com crianças.

Mais do que celebrar a bicicleta como David Byrne, os “Percursos Afetivos” buscam fazer com que os participantes (digamos assim) observem a cidade e as pessoas que fazem parte dela. “A questão é observar o quanto a cidade pode ser nossa, como a gente passa desapercebido pelos fatos que a rondam. A intenção é abrir uma percepção sensível e afetiva da cidade”, comenta.  

Quem não tiver bicicleta e quiser participar do trajeto pode alugar uma na Bicicletaria Cultural, que fica na Rua Presidente Faria, 226, próximo à Praça do Bolso Ciclista. O aluguel para uma hora sai por R$ 10. Para quatro horas o preço é R$ 30 e para 12 horas, R$ 50. A apresentação será feita para, no máximo, 25 pessoas por dia. 

LEIA TAMBÉM 

>>> Lugares incríveis para ver as estrelas em Curitiba (se o tempo permitir)

>>> Como eram os principais pontos de Curitiba “antes da fama”?