Museu da Fotografia Cidade de Curitiba

O Museu da Fotografia possui a exposição fixa “Fotografia em Transe”, do próprio acervo, com 174 imagens de 80 fotógrafos feitas entre os anos de 1960 a 2000.

As fotografias estão expostas em três salas no Museu da Fotografia e uma no Museu da Gravura. Ele funciona de segunda a sexta-feira das 09h às 18h e aos finais de semana e feriados das 12h às 18h.  

Museu da Gravura Cidade de Curitiba

O Museu da Gravura possui a exposição fixa sobre a história do Solar do Barão. Sendo o único museu especificamente de gravuras no Brasil, o museu oferece 15 cursos voltados ao tema.

O museu funciona de terça a domingo, das 9h às 12h e das 13h às 17h.  

Museu de Arte Sacra

Atualmente, o museu está com a exposição “Vitrais”, da artista Ana Mueller. O local, que recebe em média 1,2 mil visitas por mês, possui a entrada gratuita.

O horário funcionamento é de terça a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h às 18h e aos finais de semana e feriados das 9h às 14h. O museu ainda contém a área de reserva técnica como exposição fixa.

Solar do Barão

No Solar do Barão encontram-se o Museu da Gravura, Museu da Fotografia, a Gibiteca de Curitiba, O Centro de Documentação e Pesquisa em Artes Gráficas, a Loja da Gravura e os cursos ofertados pelo local.

O horário de funcionamento é de terça a domingo, das 9h às 12h e das 14h às 18h.   

Museu do Holocausto

O Museu do Holocausto funciona nas segundas, terças, quartas, sextas e domingos mediante agendamento de horário. A faixa etária do museu é 12 anos devido à abordagem pedagógica escolhida.

O museu possui fotos e painéis de projeção funcionando como um local interativo e sensorial. Ele tem o objetivo de reforçar e construir a memória das vítimas que vieram para o Paraná durante o holocausto e da imigração da comunidade judaica para o estado.

Museu Ferroviário

O museu tem o serviço de mediação, contando a história do desenvolvimento paranaense pela estação ferroviária. O museu possui acervo próprio e possui objetos como uma réplica da locomotiva Maria Fumaça e de uniformes de época, apitos, talheres que eram usados nos vagões, 403 modelos de madeira, entre outros.

O museu conta também com uma caixa do tempo que, desde a inauguração da ferrovia, é aberta a cada 50 anos. Na caixa são guardados objetos da época, como moedas e documentos. Ela será aberta em 2035.

Não possui valor de entrada e funciona de terça a sábado, das 10h às 18h, e domingos e feriados das 11h às 19h.

Museu Guido Viaro

O Museu Guido Viaro possui uma exposição fixa com o acervo do artista. Possui também a sala Dalton Trevisan, que contém os materiais do escritor. O local recebe em torno de mil visitas por mês. Gratuito, o prédio construído em 1930 recebe visitas de terça a sábado, das 14h às 18h.

Além das exposições, há também o Cineclube com filmes fora do circuito comercial. A atividade acontece aos sábados a partir das 17h30, seguida de debates. O evento recebe em média 30 pessoas por sessão e é gratuito.

Museu do Expedicionário

No Museu do Expedicionário, o acervo inclui objetos das tropas aliadas, que combateram do mesmo lado do Brasil na Segunda Guerra Mundial. Os oponentes também estão representados: uniformes, armas de guerra e símbolos dos exércitos nazista e japonês estão em exposição.

Aparatos de comunicação e até de alimentação também estão no acervo. A entrada é gratuita.

Museu da Imagem e do Som

As exposições de longa duração do MIS-PR colocam parte do acervo, que tem mais de um milhão de itens, para falar sobre televisão, música, rádio e outras formas de expressão que utilizam imagens e sons. Um dos destaques é a exposição de imagens tridimensionais que reconstitui a história do cinema.

A entrada no museu é gratuita.

Museu Oscar Niemeyer

O museu mais conhecido da cidade recebe exposições de arte de várias épocas e gêneros, e tem 12 salas expositivas, ocupadas por mostras que se renovam periodicamente. A única de longa duração é Luz = Matéria, com uma seleção de obras do acervo do museu que, de alguma forma, utilizam a luz em sua composição. Parte delas foi apreendida pela Operação Lava Jato.

As entradas custam R$ 20 (valor da inteira), e podem ser compradas pela internet.

Museu Paranaense

O acervo do Museu Paranaense tem mais de 400 mil itens, divididos entre objetos históricos e arqueológicos. As exposições permanentes, que ocupam tanto o prédio principal quanto o anexo, contam a história do Paraná do ponto de vista da colonização, da independência e do desenvolvimento econômico. No entanto, graças às doações que recebeu, o museu guarda também relíquias como medalhas de combatentes da Segunda Guerra Mundial e moedas antigas, entre as quais está um exemplar romano datado de 300 a.C.

A visitação ao MP é gratuita todos os dias da semana.

Memorial de Segurança no Transporte

As atrações do Memorial têm pegada tecnológica, com simuladores de capotamento, crash test (testes de batida feitos para saber se um carro é seguro ou não), além de um ônibus biarticulado suspenso. Em setembro de 2018, o local ganha um simulador de direção de caminhão, que pode ser visitado por pessoas maiores de 18 anos.

A visitação é gratuita, mas é preciso agendar um horário previamente com a administração do museu pelo telefone.

Museu de Arte Indígena (MAI)

Com 700 m² de exposição, o MAI guarda acervo composto principalmente de plumagens, cestas, itens de culto e cerâmicas. Na área de eventos, o ambiente é construído de forma a lembrar o formato de uma oca. Em duas das salas, as exposições são trocadas a cada semestre. No restante do museu, as mostras são de longa duração.

Os ingressos custam R$ 24 (inteira), e é possível visitar o museu aos finais de semana com agendamento prévio, para grupos de no mínimo 15 pessoas.

Museu Egípcio

A casa da múmia Tothmea (e também de Wanra, múmia andina) é dedicada a exposições sobre o mundo egípcio, com objetos que relembram a arquitetura do Antigo Egito e parte da cultura — o local tem pés de papiro, planta utilizada pela civilização para produzir uma espécie de papel. As exposições são todas de longa duração, e são trocadas a cada dois anos.

O ingresso do museu custa R$ 10 (inteira).

Museu da Justiça

Na exposição permanente do Museu da Justiça, é possível ter acesso a documentos históricos da justiça paranaense, além de objetos de desembargadores. Anexo ao TJ-PR, o local tem ainda uma reconstituição de um antigo tribunal do júri. O acervo de processos conta com 9 mil arquivos.

A visitação é gratuita.

Museu da PRF

Com o maior acervo histórico da Polícia Rodoviária Federal no Brasil, o museu da instituição é uma viagem pelos equipamentos que a corporação já utilizou, reunindo viaturas restauradas, motos, rádios e uniformes. O acervo eventualmente pode ser visto em outros espaços, e também faz parte de exposições em outros estados, mas o local recebe visitantes mesmo quando parte dos itens está em outros lugares.

A entrada é gratuita.

Museu da Vida

O tema do Museu da Vida, ligado à Pastoral da Criança, são os cuidados com os pequenos, desde a gravidez da mãe até o final dos dois primeiros anos de idade. As exposições são interativas, com destaque para a Mil Dias, que retrata o começo da vida e os problemas da falta de prevenção e cuidados com a saúde. Temas como a sustentabilidade ambiental também podem ser vistos nas mostras.

A entrada é gratuita em todos os dias.

Museu David Carneiro

Criado a partir das coleções de David Carneiro, o museu reúne uma série delas, que abrangem de moedas e fósseis a armamentos. O prédio foi residência da família Carneiro, e hoje é parte do Hotel Pestana, que abriga a instituição. Material bélico utilizado no Cerco da Lapa, em 1984, também está exposto.

A entrada é gratuita.

Museu de Arte da UFPR

O acervo de pinturas e esculturas do MUSA está sempre em exposição no local, uma das salas do Prédio Histórico da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Além da mostra de longa duração, o museu recebe também exibições de obras de artistas paranaenses.

A entrada é grátis.

Museu de História Natural

Em meio a uma floresta de araucárias, o Museu de História Natural é uma celebração da natureza com exemplares de animais, principalmente em fósseis; o destaque são peixes e moluscos que fazem parte da fauna do rio Iguaçu. Quatro ecossistemas brasileiros (floresta com araucária, floresta atlântica, cerrado e banhado) estão representados em outra mostra permanente, em um ambiente climatizado.

A visitação ao local é gratuita.

Museu do Automóvel

No Barigui desde 1973, o Museu do Automóvel guarda algumas relíquias automobilísticas, como um exemplar do Ford T datado de 1926 e um Chevrolet Sedan de 1933. Além dos carros, também ficam expostas peças e partes mecânicas. O local conta ainda com uma biblioteca especializada em livros automobilísticos.

A entrada custa R$ 10 (inteira).

Museu Municipal de Arte (MuMA)

Parte do complexo do Portão Cultural, o MuMA guarda obras de artes que faziam parte do acervo de Poty Lazzarotto, como peças (duas gravuras e uma cerâmica) que foram produzidas por Pablo Picasso. As exposições rotativas trazem obras de vários estilos de artes plásticas. Nos fundos, para complementar a atmosfera de arte moderna do local, está a escultura de Tomie Ohtake criada em 1996 para celebrar a amizade entre Brasil e Japão.

O MuMA tem visitação gratuita.

Memorial de Curitiba

No coração do Largo da Ordem, o Memorial de Curitiba mistura espaço de eventos, que recebe desde atividades geek até feiras gastronômicas, com um museu que guarda objetos importantes da história da cidade, como um altar da Matriz de Curitiba datado do século XVIII. Pinturas do artista plástico Sergio Ferro que retratam acontecimentos importantes da vida da cidade também estão nas salas.

A entrada é gratuita.

A Casa Andrade Muricy e os Museus Alfredo Andersen e de Arte Contemporânea estão fechados para restauração. O Alfredo Andersen deve reabrir em novembro, e os outros dois espaços não têm previsão de reabertura.

>> Santuários que você precisa conhecer em Curitiba

>> Descubra Curitiba: um roteiro turístico de acordo com o seu estilo

>> Bares em casarões de Curitiba são uma aula de história