“Olha só, a Rafa parece um peixinho”, disse a tia da garota, de 9 anos, ao vê-la afundar na enorme piscina de bolinhas instalada no Piso L2, na Praça de Eventos dos Shopping Crystal. Essa é uma afirmação mais do que apropriada para o brinquedo, que é chamado de Mar de Bolinhas, do Magic Games. Para brincar, os valores vão de R$ 30 e R$ 80, dependendo do tempo de permanência – e todo mundo paga meia em julho, por conta das férias.

São mais de 200 mil bolinhas azuis que formam um verdadeiro mar para crianças e adultos. Isso mesmo: a brincadeira está liberada para “crianças” de todas as idades [até para aquelas que, assim como eu, já beiram os 40 anos – obviamente eu não perderia a oportunidade de gastar algumas calorias nessa diversão].

A estrutura conta com duas torres (que levam a um escorregador fechado) e com um enorme pula-pula inflável. Rafaela e Vitória, de 7 e 8 anos, foram com a mãe e as tias. Segundo Claudia Maria Claudino, a mãe das meninas, essa era a primeira vez das duas no brinquedo do Shopping Crystal, e, a julgar pelas risadas, elas aproveitaram a tarde.


Atração pode ser curtida por crianças e adultos. Foto: Divulgação.

Apesar de ser uma atração liberada para adultos, a maioria só resolve participar quando resolve levar os filhos. É o caso do advogado Mauro Dantas, que só entrou no brinquedo quando notou que o pequeno Miguel, de 3 anos, estava quase sumindo na infinidade de bolinhas. “É divertido! Principalmente para eles, é claro”, explica Dantas, que estava no Mar de Bolinhas enquanto a esposa fazia compras no mercado que fica dentro do shopping.

A psicóloga Tais Mazzola, de Florianópolis, é outra que aproveitou o horário do almoço para levar a pequena Antônia, de 9 anos, para brincar por lá. Ela veio visitar um amigo em Curitiba e aproveitou para procurar atrações para a criançada. De manhã, o roteiro incluiu patinar no parque Barigui. À tarde, foi a vez de curtir a atração no Shopping Crystal. “A gente veio esperando frio, mas fomos surpreendidos com esse calor”, detalha Tais. Quem disse que não dá mar em pleno inverno, não é mesmo?