Quem gosta de aventura ou pratica grandes caminhadas não pode deixar de conhecer o Caminho do Itupava, que, desde o início do século XVII serve de ligação entre o litoral e o planalto curitibano.

>>> 9 morros para subir próximos a Curitiba

Quando foi criado, o caminho era utilizado por caçadores de índios, garimpeiros de ouro e povoadores dos campos de Curitiba que aproveitavam as trilhas indígenas para conectar a capital ao litoral. Por quase 250 anos, o Caminho do Itupava foi a principal via de comunicação entre os dois locais - foi somente em 1873, com a abertura da estrada da Graciosa e 12 anos depois, com a efetivação da Estrada de Ferro Paranaguá - Curitiba, que o caminho caiu em desuso.

A extensão original do trecho tinha aproximadamente 55 quilômetros - o caminho partida do Largo Bittencourt, onde hoje está o Círculo Militar do Paraná, passando pela Borda do Campo, em Quatro Barras, atravessando a Serra do Mar, até chegar em Porto de Cima, em Morretes. As tropas desciam o caminho carregadas de erva-mate, fumo, carne seca, couros e cereais. Hoje o Caminho do Itupava abrange 16 km segundo o Instituto Ambiental do Paraná (IAP), começando em Quatro Barras e terminando na estrada das prainhas, em Morretes.

O trajeto tem caminhos em pedras sabão centenárias, além de passar por pontes, passagens pelo meio do rio e em meio à Mata Atlântica preservada. Quase todo o percurso é pavimentado e as pedras foram colocadas por escravos entre 1625 e 1654 - mas, oficialmente, o calçamento é atribuído aos padres jesuítas.

É preciso estar com um bom preparo físico para aguentar as oito horas de caminhada. Entre os principais atrativos estão a Casa do Ipiranga, a Roda D’Água e o Santuário do Cadeado - além, é claro, da flora e fauna da Mata Atlântica. Durante o trajeto é possível avistar mais de 300 espécies de pássaros.

Recomendações

Antes de começar, é bom avaliar se você está em condições físicas para aguentar a caminhada. O ideal é não fazer o passeio em dias nublados e chuvosos, já que a maior parte da paisagem da serra fica encoberta e o caminho escorregadio. As primeiras horas da manhã são ideais para começar a caminhada - sempre com roupas leves e calçados adequados.

O IAP recomenda que os visitantes andem em grupos de, pelo menos, 10 pessoas e se cadastre em um dos postos de visitantes existentes na estrada. Vale lembrar que o trajeto passa por dois trechos da estrada de ferro, mas não é permitido ao visitante andar pelos trilhos.

Pacotes

Não é preciso contratar um guia para fazer o percurso - embora seja indicado. Saindo de Curitiba, pelo menos duas empresas têm pacotes que levam até o caminho: a Aventura Curitiba e a Salto Alto Montanhismo.

A Aventura Curitiba tem um pacote que sai de Curitiba por R$ 129 por pessoa. O pacote inclui o transporte, kit de primeiros socorros, o guia e um seguro-atividade.

O pacote da Salto Alto Montanhismo sai por R$ 170 e inclui o transporte, um seguro pessoal, condutores de trilha com treinamento e certificação e um brigadeiro para sobremesa.

LEIA TAMBÉM 

>>> Terceira maior caverna do Paraná está a 30 km de Curitiba

>>> Rota da Cerveja: saiba como conhecer cervejarias artesanais de Pinhais