Uma mãe que perdeu a filha de uma das maneiras mais brutais possíveis e imagináveis aluga três outdoors em uma estrada próxima à entrada de sua cidade cobrando uma ação do chefe de polícia que, meses após o crime, não conseguiu realizar nenhuma prisão. Esse pode ser o motor inicial da narrativa de Três Anúncios para um Crime, mas está longe de ser a única trama do filme. Cada palavra dessa sinopse esconde uma história dentro da história. Os outdoors são alugados por Red Welby (Caleb Landry Jones) que, por isso, desperta a fúria do policial Jason Dixon (Sam Rockwell). O chefe de polícia Bill Willoughby (Woody Harrelson) tem seus próprios e secretos problemas pessoais, e mesmo em conflito com Mildred Hayes (Frances McDormand), nunca fica completamente contra a mulher, ao contrário do resto da cidade que o venera.

Leia mais: 

15 apostas do cinema em 2018 que devem reverter cenário de queda na bilheteria

Três grandes estreias chegam aos cinemas em Curitiba no dia 15

Em comum a todas essas histórias? A cidade de Ebbing, Missouri, e as ações motivadas pelo ódio, que sempre acabam ricocheteando nos envolvidos e em inocentes. O filme é uma cadeia de ações e reações violentas ao ato inicial de Mildred, uma mulher endurecida pelo sofrimento que se tornou insensível a outras questões que não sua cruzada. “O ódio nunca levou a lugar nenhum” é a lição que o xerife Willoughby deixa para os personagens, mas também serve como uma premonição do caos que se seguirá e como a clara fábula moral da narrativa.

Nas categorias de atuação em que concorre, Três Anúncios é o favorito claro. Frances McDormand está hipnotizante como a mãe que transforma seu luto em agressividade e só se permite ser vulnerável quando está só.  Seu monólogo comparando a igreja com as gangues de Los Angeles e um momento silencioso com um cervo são exemplos de como ela transita bem entre as cenas explosivas e as mais sensíveis, e lembrando-nos que a personagem é um ser humano multidimensional como todos os outros.

Já Rockwell e Harrelson disputam a estatueta de melhor ator coadjuvante, com um favoritismo claro do primeiro. Além de ter ganho o Globo de Ouro, o policial Dixon é um personagem mais complexo e cativante, no começo sendo um misto de vilão e alívio cômico e se tornando algo mais com as viradas do roteiro. (GT)